Cientistas criaram células-tronco imortais que geram glóbulos vermelhos

Os pesquisadores desenvolveram uma linhagem de células-tronco imortal que gera um suprimento ilimitado de glóbulos vermelhos artificiais sob demanda.

 

Se essas células de sangue artificial forem aprovadas, serão muito mais eficientes para uso médico do que os atuais produtos de glóbulos vermelhos – a partir de doação de sangue. Este novo método ajudará os pacientes com tipos de sangue raros, que muitas vezes lutam para encontrar doadores de sangue correspondentes. A ideia não é que essas células-tronco imortais substituam completamente a doação de sangue – quando se trata de transfusões de sangue regulares, o sangue doado ainda é fundamental.

 

Globalmente, há uma necessidade de um produto alternativo de glóbulos vermelhos“, disse o pesquisador principal Jan Frayne da Universidade de Bristol, no Reino Unido. “Os glóbulos vermelhos cultivados têm vantagens sobre o sangue do doador, como o risco reduzido de transmissão de doenças infecciosas“. No passado, os pesquisadores haviam tentado transformar as células-tronco doadas em células vermelhas do sangue maduras – uma técnica que funciona, mas é um processo incrivelmente ineficiente.

 

Cada célula-tronco faz cerca de 50.000 glóbulos vermelhos antes de morrer. Este número pode parecer alto, mas colocando em perspectiva, uma bolsa típica de sangue usada em hospitais com cerca de 1 trilhão de glóbulos vermelhos. Para superar isso, a equipe da Universidade de Bristol adotou uma abordagem diferente – transformaram as células-tronco adultas na primeira linha do mundo de células-tronco imortalizadas “eritroides” –  eritroide refere-se ao processo que produz glóbulos vermelhos.

 

Eles chamaram a linha de células Bristol Erythroid Line Adult ou células BEL-A. Para criar essas células “imortais”, aprisionaram as células-tronco adultas em um estágio inicial de desenvolvimento, o que significa que podem se dividir e criar glóbulos vermelhos para sempre sem morrer, evitando a necessidade de repetir doações. Abordagens anteriores para a produção de glóbulos vermelhos têm contado com várias fontes de células estaminais, que só pode atualmente produzir quantidades muito limitadas”, disse Frayne.

 

Se as células-tronco imortais lhe parecem familiares, isso é porque há outra linha famosa de células-tronco imortais usadas em laboratórios ao redor do mundo, conhecida como HeLa, que foi retirada do tecido de uma mulher chamada Henrietta Lacks sem o seu conhecimento. Este processo desempenhou um papel crucial em marcos importantes, como o desenvolvimento da vacina contra a pólio, bem como os principais estudos sobre o câncer. Já estas células estaminais imortais BEL-A foram especificamente selecionadas a partir de produtos sanguíneos voluntariamente doados com o único objetivo de gerar células sanguíneas humanas adultas. 

 

Se os glóbulos vermelhos passarem nos ensaios clínicos, eles poderiam provar um tão revolucionário e útil avanço quanto Lacks. Os cientistas têm trabalhado por anos em como fabricar glóbulos vermelhos para oferecer uma alternativa ao sangue doado para tratar pacientes“, disse Dave Anstee, diretor do Blood and Transplant Research Unitdo Instituto Nacional de Pesquisa de Saúde do Reino Unido.

Os pacientes que estão potencialmente mais beneficiados são aqueles com condições complexas e limitantes da vida, como a doença falciforme e talassemia, que pode exigir múltiplas transfusões de sangue bem combinado“. A intenção não é substituir a doação de sangue, mas fornecer tratamento especializado para grupos específicos de pacientes“, acrescentou. O primeiro uso terapêutico de um produto cultivado de glóbulos vermelhos é provável que seja para pacientes com grupos sanguíneos raros, porque as doações convencionais de glóbulos vermelhos podem ser difíceis de conseguir“.

 

Os glóbulos vermelhos artificiais ainda precisam ser submetidos a ensaios clínicos em humanos antes que possamos dizer com certeza que eles são seguros e eficazes. Mas os testes de segurança iniciais baseados em métodos de fabricação anteriores começarão no final deste ano.

 

A pesquisa foi publicada na Nature Communications.

[ Science Alert ] [ Fotos: Reprodução / Science Alert ]

Jornal Ciência

SHARE