Índia expulsa mendigos das ruas para filha de Trump visitar o país

Mendigos são vistos na cidade de Hyderabad, Índia. Foto: AFP/Noah Seelam

Pedro Nascimento, Edição

Centenas de mendigos da cidade de Hyderabad, no sudeste da Índia, foram retirados das ruas e transferidos a albergues, uma medida que é tomada pouco antes da chegada de Ivanka Trump, filha e assessora do presidente dos Estados Unidos, Donald Trump, informaram policiais nesta sexta-feira, 10.

Ivanka visitará Hyderabad, capital do Estado de Telangana e um dos centros tecnológicos da Índia, como parte da delegação americana que participará da Cúpula Global de Empreendimento (GES, na sigla em inglês) entre os dias 28 e 30 de novembro.

“Não estão sendo detidos, não os levamos à prisão, simplesmente os estamos levando a um albergue”, assegurou o agente Vijar Kumar Reddy, adjunto do chefe de polícia de Hyderabad, Mahender Reddy.

A transferência dos mendigos aconteceu depois que o chefe de polícia de Hyderabad efetivou esta semana uma legislação na qual proíbe a mendicidade nas áreas públicas até 7 de janeiro por colocar em perigo a segurança dos veículos e pedestres e “afetar a ordem pública”.

“Muitos mendigos estão pedindo esmola de maneira indecente e utilizaram crianças e pessoas com incapacidade para solicitar ou receber esmolas”, denunciou Mahender Reddy em sua legislação.

Seu subordinado insistiu que a transferência dos mendigos nada tem a ver com a realização da cúpula, mas se trata, segundo ele, de um programa para “dar-lhes abrigo” e “tentar conseguir-lhes um emprego”.

Essa versão se choca com a opinião das ONGS locais, como a Good Samaritans India, que relacionam a medida estreitamente com a realização da GES e “outros eventos próximos”, declarou o diretor da organização, George Rakesh. Além disso, Rakesh criticou o eufemismo e garantiu que “os mendigos são enviados à prisão, não a albergues”.

O responsável por esses “albergues”, o superintendente de polícia Sampath, revelou que até esta sexta-feira 270 mendigos foram tirados das ruas como parte desse “programa piloto” que pretende “reabilitar” os indigentes da cidade.

“Estaremos com eles de três a seis meses e, quando acabar sua reabilitação, quando sejam capazes de trabalhar por eles mesmos, lhes deixaremos sair”, explicou Sampath. A última vez que Hyderabad tomou uma medida parecida foi durante a visita do então presidente americano Bill Clinton no ano 2000.

A GES é uma cúpula anual organizada por EUA e Índia desde 2010 e reúne mais de mil empreendedores emergentes e investidores de todo o mundo.

Notibras

SHARE