A gravidade é uma farsa? Teoria explica por que não encontramos ainda matéria escura

A matéria escura compõe cerca de 27 por cento da massa do Universo e não reflete luz.

 

Os astrônomos deduziram sua existência por causa dos efeitos gravitacionais sobre a matéria visível. Mas, uma nova teoria afirma que os mistérios sobre a matéria escura podem ser explicados de uma forma totalmente diferente – pela nossa compreensão sobre a gravidade. Ao estudar estrelas e galáxias, os astrônomos descobriram que as forças da gravidade parecem mais fortes do que o esperado. As regiões exteriores de galáxias, como a nossa Via Láctea, giram muito mais rapidamente em torno do centro do que pode ser explicado pela quantidade de matéria comum como estrelas, planetas e gases interestelares.

universo-ilusao_02

Os físicos afirmam que deve haver algo que não podemos ver, chamado de matéria escura. Essas partículas de matéria escura nunca foram observadas, apesar dos especialistas terem realizado grandes esforços para detectá-las.

universo-ilusao_04

Mas, um físico da Universidade de Amsterdã sugere uma teoria completamente nova – que não inclui a matéria escura em tudo. “Nossas ideias atuais sobre o espaço, tempo e gravidade precisam urgentemente serem repensadas. Há muito que sabemos que a Teoria da Gravidade de Einstein não pode trabalhar com a Mecânica Quântica“, explica o autor do novo estudo, Professor Erik Verlinde. “Nossas descobertas estão mudando drasticamente e acho que estamos às vésperas de uma revolução científica“, acrescentou.

universo-ilusao_03
A teoria do professor Verlinde começou como um artigo publicado em 2010. Nesse artigo ele mostrou como a famosa segunda lei de Newton, que descreve como as maçãs caem das árvores e os satélites permanecem em órbita, pode ser derivada de “blocos de construção” microscópicos subjacentes.

 

universo-ilusao_05
O professor Verlinde tomou a entropia do universo e usou-a para adaptar uma teoria chamada princípio holográfico de Gerard ‘t Hooft. Ele diz que a gravidade emerge das mudanças de bits fundamentais de informação, armazenados na estrutura do tempo-espaço.

No estudo, que foi publicado arXiv.org, o professor Verlinde procura calcular os movimentos das estrelas sem incluir a matéria escura na equação. Sua sugestão é que a gravidade não seja uma força fundamental da natureza, mas sim um “fenômeno emergente“. Isso pode ser pensado como similar à temperatura: é um fenômeno emergente que decorre do movimento de partículas microscópicas.  A nova teoria, chamada “gravidade emergente”, sugere que a gravidade venha como um efeito colateral da entropia do Universo.

 

Professor Verlinde disse que a entropia do Universo é usada para adaptar uma teoria chamada Princípio Holográfico, de Hooft Gerard. Segundo a teoria, a gravidade emerge a partir das alterações de bits de informação fundamentais, armazenados na estrutura de espaço-tempo. “Em grandes escalas, a gravidade simplesmente não se comporta da forma que a teoria de Einstein prediz“, disse o professor. Segundo Verlinde, a energia escura poderia ser culpada pelo aumento da gravidade em estrelas e galáxias. 

Nesse papel, ele mostrou como a Segunda Lei de Newton – que descreve como as maçãs caem das árvores e os satélites ficam em órbita – pode fazer sentido. Segundo ele, quando você leva em conta essa nova definição de gravidade, já não precisa de uma nova partícula para explicar a matéria escura – o comportamento de galáxias faz sentido sem ela. “Em grandes escalas, ao que parece, a gravidade simplesmente não se comporta da maneira que a teoria de Einstein prediz”, explica o professor.

 

A matéria escura não é a única teoria que não se encaixa com esse novo conceito de gravidade. O “Modelo Padrão” diz que tudo no Universo é feito de blocos de construção, conhecidos como partículas fundamentais, que são regidos por quatro forças: a gravidade, eletromagnética, nuclear fraca e nuclear forte. Porém, o Modelo Padrão deixou algumas perguntas sem resposta durante anos, por isso os cientistas estão buscando novas teorias.

[ Daily Mail ]  [ Foto: Reprodução / Daily Mail ] 

Jornal Ciência

SHARE